Juíza do RJ ‘passa um sabão’ em Bolsonaro: ‘política não é piada’

Parlamentar tem ‘o dever de assumir uma postura mais respeitosa’, diz magistrada ao condená-lo a pagar 50.000 reais por ofender quilombolas em palestra

Nesta terça-feira, a juíza Frana Elizabeth Mendes, da 26ª Vara Federal do Rio de Janeiro, condenou o deputado federal Jair Bolsonaro (PSC-RJ) por causa de expressões consideradas pejorativas à população quilombola, em palestra no Clube Hebraica, na capital fluminense, em abril. Ao concluir sua decisão e determinar que o parlamentar pague uma multa de 50.000 por danos morais coletivos, a magistrada também “passou um sabão” (expressão popular que significa “dar uma bronca”, “repreender”, “dar uma dura”) no parlamentar.

Entre outras coisas, disse a Bolsonaro que “política não é piada, não é brincadeira”. Em sua defesa, além de argumentar que conta com imunidade parlamentar, o deputado disse estar fazendo uma piada quando ironizou uma visita a um quilombo, dizendo que “o afrodescendente mais leve lá pesava sete arrobas” – arroba é uma medida usada para pesar animais e equivale a 15 kg cada. “Não fazem nada. Eu acho que nem para procriador ele serve mais. Mais de 1 bilhão de reais por ano é gasto com eles”, completou.

A juíza discordou da alegação e apontou que política “deve ser tratada e conduzida de forma séria e respeitosa por qualquer exercente de poder”. Sendo um parlamentar e “uma pessoa de altíssimo conhecimento público em âmbito nacional”, o deputado federal tem, ressalta a juíza, “o dever de assumir uma postura mais respeitosa com relação aos cidadãos e grupos que representa, ou seja, a todos, haja vista que suas atitudes influenciam pessoas, podendo incitar reações exageradas e prejudiciais à coletividade”.

A reportagem tentou, sem sucesso, ouvir Bolsonaro sobre a sentença. Ele também não se manifestou sobre o caso em suas redes sociais.

 

 

 

 

 

 

 

 

(Veja)

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someoneShare on TumblrShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *