Lagarta devoradora de plástico pode ajudar na decomposição de resíduos sólidos

Pesquisadores da Universidade de Cambridge descobriram que as larvas da traça, que come cera em colmeias, também podem degradar o plástico.
As experiências mostram que o inseto pode quebrar as ligações químicas do plástico de uma maneira similar à digestão da cera de abelha.
Cada ano, cerca de 80 milhões de toneladas de polietileno plástico são produzidos em todo o mundo.
O plástico é usado para fazer sacos de compras e embalagens de alimentos, entre outras coisas, mas pode levar centenas de anos para se decompor completamente.

No entanto, lagartas da mariposa ( Galleria mellonella ) pode fazer buracos em um saco de plástico em menos de uma hora.
O Dr. Paolo Bombelli é bioquímico na Universidade de Cambridge e um dos pesquisadores do estudo.
“A lagarta será o ponto de partida”, disse ele ao jornal da  BBC News.
“Precisamos entender os detalhes sob os quais este processo opera.
“Esperamos fornecer a solução técnica para minimizar o problema dos resíduos de plástico.”
Dr. Bombelli e colega Federica Bertocchini do Conselho Nacional de Pesquisa espanhol patentearam a descoberta. Eles querem acelerar o processo de descobrir os segredos químicos por trás da degradação natural do plástico.
Eles acham que os micróbios na lagarta – assim como o próprio inseto – podem desempenhar um papel na quebra do plástico.
Se o processo químico puder ser identificado, poderá conduzir a uma solução para a gestão de resíduos plásticos no ambiente.
“Estamos planejando implementar esta descoberta de forma viável para se livrar dos resíduos de plástico, trabalhando para uma solução para salvar nossos oceanos, rios e todo o ambiente das consequências inevitáveis ​​da acumulação de plástico”, disse o Dr. Bertocchini.
“No entanto, não devemos nos sentir justificados para despejar polietileno deliberadamente em nosso ambiente apenas porque agora sabemos como biodegradá-lo.”
A pesquisa é publicada na revista Current Biology.

(BBC NEWS)

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someoneShare on TumblrShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *