O CRESCIMENTO DA VIOLÊNCIA URBANA EM CABO FRIO.

Por Cláudio Leitão*

.

A banalização das notícias sobre casos de assaltos e assassinatos na nossa mídia local, mostra de forma clara e inequívoca que se existe uma variável social em nossa cidade que cresce sem parar é a violência urbana.

Todos que se arriscam a dissecar a matéria, certamente, encontrarão várias razões para justificar tal fato. Fatores econômicos, sociais, culturais, migração de bandidos da região metropolitana do Rio, além de questões de outras ordens, quando analisados dariam laudas e laudas de textos que não caberiam num espaço de leitura objetiva como é característico do universo das redes sociais.

Nesta oportunidade, gostaria de me ater a um dos fatores que entendo ser um dos responsáveis por esta crescente onda de criminalidade em nossa região e que nunca é abordado pelos “nossos jornalistas” quando estão entrevistando as autoridades públicas municipais nos vários programas de rádio e TV: a questão do modelo de desenvolvimento adotado que divide a cidade em “centro e periferia”.

Evidente que não é uma característica apenas de nossa cidade, mas aqui esta dicotomia se acentua de uma forma muito evidente. Um núcleo urbano no centro, asfaltado, com infraestrutura, investimentos em alguns equipamentos urbanos, habitados pelas pessoas de maior renda. Do outro lado, uma região periférica, sem políticas públicas adequadas, ocupações irregulares, às vezes estimuladas por políticos “malandros” e um contingente populacional de menor renda, uma parte subempregada e outra desempregada que acaba virando massa de manobra no jogo político.

Numa cidade como Cabo Frio, além dos recursos próprios, jorram recursos provenientes dos royalties do petróleo, cuja destinação principal deveria ser o investimento em infraestrutura, oportunizando um “plus” orçamentário que se usado prioritariamente nas periferias proporcionaria uma efetiva redução deste desequilíbrio econômico, trazendo como consequência mais justiça social.

Decisões políticas equivocadas, corrupção galopante e ganância pelo poder fazem com que estes recursos sejam desviados de sua função, provocando desigualdades de oportunidades que levam estas pessoas que estão no limite da sobrevivência a buscar caminhos que transgridem a lei e a ordem, o caminho do crime.

Achar que apenas o aparato de enfrentamento policial vai resolver esta questão é um grande erro. Verdadeiros exércitos de reposição são gerados nesta fábrica de pobreza criada por este modelo. Morre um e tem pelos menos uns dez para a “substituição”. A maioria não é criminosa por que quer. As pesquisas sérias mostram isso. A falta de políticas públicas adequadas na educação, saúde, cultura e esporte geram estes resultados catastróficos que são esfregados “nas caras de pau” dos governantes, que sempre diante de tragédias como essa se apressam em dizer que vão tomar providências, que com o tempo, percebemos que não acontecem.

Ações pontuais não produzem resultados duradouros. Produzem apenas “melhorazinhas” que normalmente servem a um objetivo eleitoral de ocasião.

A solução passa por uma transformação no modelo de gestão pública. Enfrentar a corrupção com uma ação efetiva de transparência total dos gastos públicos que permita a fiscalização por parte de toda a sociedade e não apenas a fiscalização “meia boca” feita pela Câmara. Reduzir o inchaço da máquina que onera o cofre público com gente que trabalha para políticos e não para a população. Acabar com a terceirização, empreitagem superfaturada e aluguéis de imóveis, máquinas e equipamentos fora da realidade de mercado para atender interesses privados de aliados políticos.

A adoção destas e de outras medidas saneadoras nos permitiria priorizar investimentos em áreas fundamentais e emancipadoras da cidadania, como saúde, educação, habitação, saneamento, esportes e meio-ambiente, usando o critério da necessidade mais premente para que se possa reduzir gradualmente a distância que envolve o centro e a periferia.

As obras faraônicas e não prioritárias, como por exemplo, “a décima segunda reforma” da Praia do Forte, são o “estilo” destes governos e caminham no sentido de dar continuidade ao antigo modelo de tratar do “centro” primeiro para depois pensar na “periferia”. O pretexto de melhorar o turismo é apenas um velho embuste.

Gramsci, nos meados do século passado já alertava em seus estudos sobre esta dialética (Centro e Periferia), apontando as suas futuras conseqüências com o crescimento das cidades.

Respeito outras opiniões, mas não mudar o modelo e combater a violência urbana com estes métodos e baixos investimentos no cidadão é “enxugar gelo”. Anônimos morrem todo dia, meninas e meninos são jogados covardemente na criminalidade e prostituição, sob o silêncio dos governantes e de parte da sociedade que se acomoda em suas macias poltronas na sala de estar.

Alguns ainda gritam aquele velho slogan que diz “bandido bom é bandido morto”, mas isso é só para os bandidos pobres e moradores das áreas periféricas. Aqueles bandidos de “maior coturno” que possuem cargos públicos e moram em coberturas na Praia do Forte são poupados, e muitas vezes, tratados com reverência e como celebridades “amigas”.

Apenas quando morre alguém famoso ou vinculado ao poder político surgem alguns gritos de indignação, mas os ventos da impunidade e do esquecimento arrancam a nossa esperança de dias melhores e mais justiça social.

“Não temos nada a perder, exceto tudo.”
Albert Camus

*Cláudio Leitão é economista, professor de história e militante do PSOL em Cabo Frio.

CompartilheShare on FacebookTweet about this on TwitterShare on Google+Email this to someoneShare on TumblrShare on LinkedIn

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *